segunda-feira, 21 de abril de 2008

Lie with me*

* Assista: Lie with me (Deite comigo)



Nos primórdios a busca pelo prazer era simplesmente natural, carícias, orgasmos, orgias, pele, corpos e gozos, se misturavam a uma sociedade que vivia na lei do mais forte, do poderio da monarquia e nobreza.
Condenado e banido pela Igreja Católica, o sexo passou de prazer natural ao mais sujo dos pecados do homem. Adão e Eva, as pobres figuras usadas para “ilustrar” a vergonha de ir contra a vontade de Deus.
Sexo-prazer não. Sexo-reprodução sim. Sexo é tabu.
Muitas “visões” e interpretações da Bíblia depois, somos obrigados a ler “Manuscritos de Como fazer sexo”: Lavar-se, encostar os órgãos sexuais, lavar-se novamente, rezar para que nasça um bebê e pedir perdão à Deus sobre o pecado cometido. Que pecado?
Existem aqueles que não acreditam em nada disso. E eu sou uma delas.
Sexo é diferente do amor.
Sexo é prazer um natural, ligado as necessidades de carinho, afeto e calor entre os seres humanos, independentemente de opção sexual.
A busca pelo prazer pode nos levar a aventuras e perigos nunca antes imaginados. Fantasias e desejos mais profundos que nos libertam, enchendo de êxtase e paixão, mostrando o que realmente nos agrada sexualmente.
Infelizmente, muitas pessoas nunca se libertarão e acabam por se guardar dentro de imagens falsas que agradam somente a sociedade, vivendo dentro de casulos sexuais, aparências e uma vida sem sabor.
Sexo não é pecado, não é errado e não faz mal. A Ciência e a Medicina comprovam e aprovam a vida sexual ativa.
As pessoas precisam aprender a se libertar e a descobrir o que lhes agradam fisicamente, o que lhes dá tesão e dá prazer, qual parte do corpo ao ser tocada revela o mais profundo orgasmo.
Alguns acham que sexo é fazer amor. Mas o que separa o amor e o prazer?
Ora, você não precisa amar uma pessoa para sentir prazer com ela, ou somente transar com alguém que você ame. O sexo dá a liberdade de transar com quem você quiser.
Qual é a tênue linha que nos indica até onde devemos ir para descobrirmos o que está por vir?
Quando o sexo extrapola os perigos e se torna um vício?
Gosto do sexo, da aventura, do prazer e da liberdade que tenho sobre o meu corpo, das minhas escolhas e do que elas representam sobre uma sociedade puritana.
Sou livre, por que sei que não estou errada.
Me entendem? Poucos. Me condenam? Alguns. Me julgam? Todos.
E querem saber, eu não ligo. Afinal, "O conhecimento é a única virtude e a ignorância é o único vício".

Liberte-se.

3 comentários:

Jana disse...

E eu assino embaixo!!


Beijos

Rafael Tupiná disse...

nandaaaaaaaaaaa

sua chatinha !!!

eu sei q vc so ta me enchendo pq ta sentido a falta de mim ne

pra t deixar mais doida
fui d social hj
hehehehe

a tati gosto

heheeheheh

o link do seu blog ja ta no meu hein
olha a trairagem

da um passada la pq
e comenta em todos os post
hehehehe

http://culturatups.blogspot.com/

bjos

André de Paula Viana disse...

O modo como escreve é encantador... de fato genial.
Ganhou um fã.

http://www.drapv.blogspot.com.br/